login

Foco e Método – os segredos do sistema de segurança

Avalie este item
(2 votos)

Dois grandes problemas na prestação do serviço de segurança são: falta de foco e falta de metodologia de construção.

O primeiro problema surge pela falta de um objetivo claro que norteie o sistema de segurança e ser implementado. Não podemos esquecer que qualquer sistema surge a partir de um objetivo bem definido, como é fácil perceber pela própria definição de sistema: conjunto de elementos dinamicamente relacionados que desenvolvem uma atividade para atingir determinado objetivo. O objetivo é a finalidade para a qual o sistema foi criado. Razão de ser do sistema.

O sistema de segurança tem que ser construído a partir do seu objetivo geral que é GERENCIAR RISCOS, seja minimizando a probabilidade de ocorrência, seja minimizando o impacto gerado pela concretização. Para se chegar ao objetivo geral é necessário alcançar os seguintes objetivos específicos:

  • Dissuadir– levar a desistência da prática de uma ação.
  • Detectar– Informar a ocorrência de um evento.
  • Reconhecer– Localizar e identificar o evento.
  • Reagir – Tratar o evento.

Para que esses objetivos sejam alcançados o sistema de segurança tem que ser composto de quatro macrosubsistemas, cada um com um foco principal, sendo:

  • Meios técnicos ativos (tecnologia) - Gerar informação.
  • Meios técnicos passivos (barreiras) - Retardar a agressão.
  • Meios organizacionais (normas, procedimentos, planos, políticas) - Coordenar os meios.
  • Meios humanos - Assegurar reação.

Esses meios na verdade são as entradas (insumos ou inputs)do sistema de segurança, entradas essas que serão processadas e transformadas em resultados, ou seja, as saídas. Através das saídas o sistema de segurança exporta de volta ao ambiente o produto de sua operação. Devem ser coerentes com os objetivos específicos e o objetivo geral (GERENCIAR RISCO). Desta forma o sistema de segurança será factível (tecnologia e pessoas disponíveis) e viável (relação custo X benefício X risco).

O segundo problema é a falta de método, ou seja, não existe uma construção lógica para a solução de segurança. É possível afirmar que a palavra método é a união das palavras meta (resultado a ser atingido) e hodós (caminho), ou seja, sequencia de ações necessárias para se atingir certo resultado desejado.  Esta sequencia é a base de construção, base essa que é composto da resposta a três perguntas.

A primeira pergunta é: qual ativo ou quais ativos a empresa quer proteger (pessoas, bens, informações, imagem). A segunda pergunta é: qual evento ou quais eventos podem interferir na integridade dos ativos a serem protegidos. A terceira e última pergunta é: qual o nível de proteção que se quer dar aos ativos. 

Com foco e método poderemos desenvolver um plano do sistema de segurança capaz de alcançar os seus objetivos e potencializar a atividade fim de qualquer empresa, mediante o gerenciamento dos riscos.

Sucesso.

Última modificação emQuarta, 31 Janeiro 2018 21:41
Nino Ricardo de Menezes Meireles

Engenheiro Civil; Especialista em Consultoria e Gestão de Recursos Humanos; Especialista em Gestão Estratégica de Negócios; Extensão em Administração da Segurança Empresarial; Extensão em Gestão de Riscos Corporativos; Autor dos Livros : Desmitificando a Segurança (Edufba – 2002). Recursos Humanos no Setor de Segurança. O que você precisa saber. (Taba Cultural - 2005). Sistema de Segurança (Étera - 2006). Manual do Gestor da Segurança Corporativa (Étera - 2008). Professor e coordenador do curso de graduação em Gestão da Segurança Privada (Centro Universitário da Bahia – FIB). Professor e coordenador do MBA em Gestão Estratégica da Segurança Corporativa (Centro Universitário da Bahia – FIB). Diretor Bahia da Associação Brasileira de Profissionais de Segurança (Abseg). Consultor e facilitador.

Deixe um comentário

Login or criar uma conta